3 hábitos seus que estão te dando corrimento e você nem imagina

3 hábitos seus que estão te dando corrimento e você nem imagina

A secreção vaginal é formada por bactérias mortas e produtos da degradação do meio vaginal e natural durante toda a vida da mulher. Suas características, inclusive, mudam de acordo com cada semana. No entanto, alguns aspectos podem indicar que a saúde da vagina não está em dia. As causas do problema, para a nossa surpresa, podem ser muito mais comum do que imaginamos. De acordo com a ginecologista e obstetra Flávia Fairbanks, determinadas doenças podem ter como sintoma o corrimento, mas alguns hábitos também influenciá-lo.

É natural que a vagina libere secreções – em menor quantidade pós-menstruação, parecendo uma clara de ovo durante a ovulação e mais grumadinha antes da próxima menstruação. No entanto, quando o material passa a ter cores estranhas – amarelo demais ou verde – e cheiro forte acompanhados de incômodos na hora do xixi ou da relação, é hora de ficar atenta e buscar a solução.

Segundo a ginecologista é necessário procurar um médico especialista para analisar todos os sintomas. Mas, ela alerta para hábitos comuns que também podem causar o problema. Descubra quais são eles e fique atenta.

corrimento

Causas do corrimento

Antibióticos

“Remédios receitados para sinusites ou infecções urinarias, geralmente, quando usados por muito tempo diminuem o número da lactobacilos da vagina e, por isso, aumentam a predisposição para o corrimento”, explica. De acordo com a médica, os lactobacilos pertencem ao principal grupo de bactérias responsável por controlar a saúde da região.

Relação sexual

“O sêmen, quando entra em contato com a vagina, altera seu ph deixando o ambiente mais alcalino. Se a mulher já estiver com a flora em desequilíbrio, essa mudança pode estimular o corrimento”, alerta Flávia. Em casos onde a alergia ao sêmen é recorrente, o casal passa por uma investigação médica e, caso seja necessário, é submetido a tratamentos específicos, além de passarem a usar camisinha por um período para evitar o contato do sêmen com a secreção vaginal.

Estresse

“Quando uma pessoa esta submetida a muito estresse, toda a sua produção hormonal é alterada. A liberação de grande quantidade de cortisol atrapalha a conversão do glicogênio em

ácido latico e, consequentemente, deixa o ambiente mais ácido, podendo também gerar corrimento”, explica a ginecologista.

Tratamento para corrimento

Flávia, no entanto, alerta que embora as causas possam ser simples e habituais, é necessário sempre buscar auxílio médico e realizar os exames ginecológicos de rotina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*