A fruta que está conquistando o Brasil e o mundo (rica em nutrientes, como a vitamina C, B1, B2, B3 e minerais, como ferro, cálcio e fósforo) controla várias doenças.

Você provavelmente já viu esta fruta exótica em algum lugar. Existem duas variedades dela, a pitaya rosa avermelhada e a pitaya amarela. Ambas possuem um aspecto externo com aparência de cactus e internamente possuem pequenas sementes pretas. A pitaya é originária de regiões subtropicais na América do Sul e na Ásia, onde crescem em abundância em pequenas árvores como cactus.

Rica em nutrientes, como a vitamina C, B1, B2, B3 e minerais, como ferro, cálcio e fósforo, a pitaya é um alimento completo que deveria estar mais presente em nossa alimentação. É também conhecida como fruta-do-dragão. Ela é muito mais popular no oriente. No Brasil, ela é ainda pouco cultivada. No entanto, quem pensa que a origem dessa bela fruta é oriental, engana-se.

A pitaia é da América Latina e, aos poucos, conseguiu se espalhar no mundo todo. Para quem nunca viu, a fruta parece ter uma casca com escamadas, como se fosse um dragão, mas sua polpa é macia e doce. Há quem comparece o sabor dela com o do kiwi ou melão, mas isso você só pode saber provando. Com a pitaia, você pode fazer geleia, iogurte, sorvete, torta e algumas outras sobremesas deliciosas. Na salada de frutas também cai muito bem. Separamos oito motivos para você investir nessa fruta maravilhosa, principalmente se sua cidade comercializar a fruta.

  1. Contém proteínas e gorduras saudáveis

Isso podemos encontrar na polpa e nas sementes da fruta.

  1. Facilita a digestão

A pitaia possui alto teor de fibras. O que isso significa? Que ela vai garantir a passagem dos alimentos através do trato digestivo, estimulando o movimento peristáltico e induzindo a liberação de sucos digestivos. Ao regular a função intestinal com fibra dietética, você reduz suas chances de doenças como constipação, síndrome do intestino irritável e doenças ainda mais graves, como o câncer colorretal.

  1. Fortalece o sistema imunológico

Isso graças ao alto nível de vitamina C.bAlém disso, as propriedades da pitaia ajudam a eliminar os radicais livres, subprodutos perigosos do metabolismo celular, que podem causar câncer e doenças cardíacas.

  1. Ajuda a emagrecer

Apesar de ser docinha e saborosa, a pitaia não engorda. Em 100 gramas, encontramos apenas 50 calorias. E tem mais! A fruta tem propriedades termogênicas, ou seja, aumenta a queima de calorias.

Além de tudo isso, há substâncias como glucagon, que dá sensação de saciedade, e tiramina, que inibe o apetite, principalmente por doces.

  1. É uma fonte de antioxidantes

Muitos estudos defendem que a vitamina C é um dos antioxidantes mais seguros e eficazes para neutralizar a formação de radicais livres. Ou seja, é uma excelente opção!

  1. Ajuda no combate ao diabetes:

Como já dissemos, a pitaia possui grande quantidade de fibras, o que ajuda a estabilizar os níveis de açúcar no sangue. Ela também pode inibir os picos de açúcar que ocorrem depois que consumimos alimentos com alto índice glicêmico. Tudo isso é maravilhoso para os diabéticos.

  1. É fonte de vitaminas

A pitaia é rica em vitaminas e minerais, que auxiliam no processo digestivo e previnem o câncer de cólon e diabetes. Além dessas vantagens, a fruta ajuda a neutralizar substâncias tóxicas (metais pesados), reduz os níveis de colesterol e a hipertensão. Para quem não sabe, as sementes têm efeito laxante.

  1. Faz bem para o coração

Se tem uma fruta que traz muitos benefícios ao coração, esta é a pitaia. Ela diminui os níveis de colesterol ruim e aumenta o colesterol bom. Além disso, previne doenças cardíacas e pressão alta. Esta fruta exótica é também uma boa fonte de gorduras monossaturada que ajudam a manter o coração em boas condições.

Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Veja também

O pau-d’arco é uma planta muito rica em propriedades medicinais utilizada pelos índios brasileiros para tratar diversas doenças.

O estudo induziu o desenvolvimento de úlceras gástricas crônicas em ratos e os tratou com …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *