É por isso que você deve colocar 1 colher com água e açúcar no jardim ou quintal antes de sair de casa

Algumas pessoas mal podem ver abelhas que já querem matar, como se elas fossem pragas. O que nem todo mundo sabe é que somos totalmente dependentes desses pequenos animais. Entenda: as abelhas são polinizadoras. Ou seja, elas são responsáveis por alimentar 90% da população mundial. Isso significa que se elas fossem extintas hoje, a humanidade só viveria mais quatro anos. O famoso zoólogo britânico David Attenborough, de 92 anos, passou a vida lutando pela preservação do meio ambiente. Ele faz questão de alertas a todos: quase um terço da comida que ingerimos é polinizada por esses insetos.

Sabe o que quer dizer isso? Que um em cada três alimentos que você coloca na sua boca hoje é o resultado do trabalho de uma abelha. Attenborough anda preocupado porque, nesses últimos dez anos, as abelhas morreram em uma taxa alarmante. E isso é muito preocupante. A extinção das abelhas pode causar um gravíssimo desequilíbrio no ecossistema e representar o fim da presença humana no planeta Terra. Para ajudar a reverter a situação, todos nós devemos colaborar. E existe um truque muito simples que representa uma grande ajuda: misturar duas colheres (sopa) de açúcar com uma colher (sopa) de água e deixar uma vasilha ou outra colher com um pouco dessa mistura no jardim ou na grama (veja a foto).

Se você avistar uma abelha sozinha, com dificuldades para voar, não pense que ela esteja obrigatoriamente morrendo. É possível que esteja apenas sem energia para voltar à colmeia. Felizmente, ela pode recuperar as forças com um pouco de água e açúcar. Há também outras formas de ajudar as abelhas e, consequentemente, a humanidade. Por exemplo, pode-se plantar flores na varanda ou no jardim. Além disso, em muitos países, a população tem pressionado o governo para que diminua o uso inseticidas, provavelmente a principal causa da matança das abelhas.

Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *